Para lembrar e entender Antonio Berni

Berni -1971

Berni -1971

Os brasileiros que entram para comprar nas Galerias Pacífico certamente já repararam no enorme mural que há no teto do shopping. Parte desta obra é do argentino Antonio Berni, cujos 108 anos de nascimento são lembrados hoje por aqui.

Eu nem sabia dessa data e ontem, numa visita ao Malba, fiquei um tempão vendo as obras dele. O Google o homenageia na data de hoje com um doodle, e eu com um texto, para quem vocês saibam um pouco mais sobre ele.

Não deixem de ver o vídeo abaixo, no qual ele conta como criou o personagem  Juanito Laguna.

Antônio Berni, com o brasileiro Candido Portinari e o mexicano Diego Rivera, forma o grupo da arte político-social da América Latina. Não é muito conhecido no Brasil, mesmo estando entre os mais expressivos do século passado, com conteúdo descritivo e estético revolucionários nas artes plásticas.

Este quadro e o que abre o post estão no Malba

Este quadro e o que abre o post estão no Malba

Berni nasce em 1905, em Rosário, seu pai é italiano e a mãe, argentina. Estuda desenho no Centro Catalán de Rosário em 1916 e faz a primeira individual em 1920. Em 1925, ganha bolsa de viagem à Europa, visita Madri e se estabelece em Paris onde estuda sob a orientação de André Lhote e Othon Friesz.

Nesse momento, interessa-se por idéias socialistas, associa-se com os surrealistas e começa a pintar nesse estilo. Em 1930, regressa à Argentina e em 1932 expõe obras surrealistas em Buenos Aires.

Em 1933, o muralista mexicano David Siqueiros visita Buenos Aires e Berni o ajuda em seu único mural na Argentina, Ejercicio plástico, na residência de Natalio Botana perto de Buenos Aires.

Nos meados dos anos 30, funda o grupo do realismo social onde emprega grandes angulares e tomadas próximas assim como protagonistas austeros semelhantes aos do renascimento italiano.

juanito_laguna_remontando_un_barrilete_19731

Juanito Laguna

Em 1939, com Lino Enea Spilimbergo, pinta um mural para o pavilhão argentino na Feira Mundial de Nova York. Em 1941, viaja através da costa pacífica americana e produz uma série de trabalhos baseados nas culturas indígenas.

O interesse de Berni pela pobreza proletária e camponesa continua mesmo quando abandona o estilo realista nos anos 50.

Por volta dos 60, cria uma famosa série de grandes colagens e assemblages baseadas num moleque de rua inventado: Juanito Laguna.

Em 1962, desenvolve outra personagem: a namorada de Juanito, a prostituta Ramona Montiel.

Esses trabalhos, que empregam lixo e material achado nas ruas, combinam as técnicas surrealistas de colagem com as preocupações do período realista.

Em 1962 conquista o grande prêmio por gravura na Bienal de Veneza. Museus do mundo inteiro colecionam sua obra.

A série A obsessão da beleza, de 1975, corresponde a um tempo obscuro da história argentina, de golpes militares e de crise sócio-econômica. Já a série de serigrafias é uma alegoria que imprime seu impiedoso sarcasmo ao descrever as torturas do regime ditatorial aos sacrifícios a que as mulheres se submetem para tornarem-se belas.

Morre em Buenos Aires em 1981.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *