Costa Brava: Catalunha mon amour (parte1)

Essa é a história de um dia em que a gente ficou sem banho mas ganhou um carro! Na nossa última passagem pela Espanha aconteceu mais ou menos isso: tivemos um problema com o aquecimento da água do apartamento alugado e acabamos tomando banho na casa de um amigo do Edu. Chegando lá, toalhas em punho, ele nos perguntou: porque vocês não pegam o meu carro e dão um rolé pela COSTA BRAVA enquanto se soluciona o problema? A gente aceitou na hora! E foi assim que fizemos este roteiro que vocês vão curtir abaixo.

Costa Brava-Catalunha-Espanha-CapCreus

Escalivada, uma prova da existência de Deus, ou pelo menos de um grande cozinheiro… Tostadas, anchovas, pimentões, berinjelas, oliva. Cerveja gelada. Vista. Vem com a gente!

Costa Brava: de carro pela costa selvagem da catalunha

 

Onde fica

costa brava espanha

É só o trechinho que fica depois de Barcelona até a divisa com a França, lá em cima!

A Costa Brava é um popular região de praias da Espanha, que começa a 200 km ao norte de Barcelona, na cidade de Blanes, e segue até a divisa com França.

É praticamente a costa da província de Girona. São 300 km de costa banhada pelas águas cristalinas do Mediterrâneo por um lado e pelas montanhas dos Pireneus, pelo outro.

Formada por uma costa alta e rochosa, esse trecho mescla pedra e mar azul. O nome Costa Brava quer dizer Costa Selvagem, e ela é assim mesmo.

Devido às enormes falésias escarpadas, intercaladas por pequenas baías e praias, algumas praias muitas vezes só são acessíveis por terra por meio de trilha, ou por mar.

A Costa Brava atrai desde longas décadas as gentes das artes: a sua beleza natural inspirou artistas como Pablo Picasso, Salvador Dalí e Joan Miró. Dizem que é um inferno na alta temporada. Fomos em março – não deu para pegar praia – mas foi lindo.

 

O nosso roteiro 

mapa_carreteras_costabrava

Mapa das estradas

A gente saiu muito cedinho, com mate (!!!) e fez uma viagem de dois dois dias super-express. O ideal é ficar no mínimo quatro. Mínimo!

Fizemos as seguintes paradas: Girona, Cadaqués, Portlligat, Cap Creus e Portbou.

No caminho, há muitos outros lugares: Blanes, Tossa de Mar, Lloret de Mar, Sant Feliu de Guixols, Palamós, Palafrugelle Roses, para citar alguns. Buáá. Temos que voltar!

Saindo de Barcelona, a gente pegou a autopista A-7 e fez a primeira parada em Girona, que não está na costa. Depois, seguimos até Figueres (onde nasceu Dalí, e visite o incrível Teatre-Museu Dalí, construído pelo pintor para servir de vitrine de sua obra), e aí sim nos bandeamos para o mar, passando por Roses, até Cadaques, onde dormimos.

costa brava enseada

A Costa Brava é toda assim!

No dia seguinte, passamos por Porlligat, onde está a Casa-Museu Salvador Dalí, almoçamos no Parque Nacional de Cap Creus, seguimos a Portbout e começamos a voltar.

Fazendo este caminho a gente perdeu algo incrível, que deixo aqui como sugestão: os centros medievais  Pals e Peratallada e também, pertinho daí, com um pequeno desvio de 15 quilômetros, Púbol, onde fica o Castelo Gala-Dalí, presente do pintor Salvador Dalí à sua mulher, Gala.

 

Girona 

Costa Brava-Catalunha_Girona

O cartão postal de Girona. Todas as fotos são de Gisele Teixeira e Eduardo Baró

Uma das quatro capitais catalãs, GIRONA é um escândalo de linda – especialmente pela cor pastel e por ser a mais em conservada cidade medieval da catalunha.

Ou seja, um amontoado de pequenas casas antigas, uma igreja enorme e  ruas de paralelepípedo para a gente se perder, tudo cercado por muralhas. Na parte velha, claro. Há um lado novo, moderno e animado, mas que a gente não foi.

Uma boa ideia é começar o passeio pelas margens do rio Onyar, onde pontes e casas em tons pastéis formam uma paisagem que podem até lembrar a italiana Florença. Os prédios foram construídos no século 19, no ponto onde parte da muralha romana que cerca o casco antigo foi destruída durante um cerco por tropas francesas em 1809.

Em seguida, siga pela Rambla de la Libertat, antes de conferir a belíssima parte intacta da muralha, que atende pelo nome de Passeig Arqueològic. Além de servir como camarote para o que tem em seu miolo, o centro histórico (que abriga o Call, que já o segundo maior bairro judeu da Catalunha), ela tem uma vista linda para os arredores.

costa brava girona cidade velha

Vista panorâmica da cidade velha. Foto Gisele Teixeira

Cadaqués 

costa brava cadaques

A-ver-o-mar

A gente chegou a CADAQUÉS no final da tarde e nos apaixonamos pelo lugar. Obviamente não fomos os únicos.

Essa cidadezinha de pescadores, escondida no Parque Nacional de Cap de Creus, foi morada de Salvador Dalí, que convidou Federico García Lorca e Luís Buñuel para passarem um verão ali.

Mais tarde, Dalí construiu seu refúgio no povoado cercano de Porlligat e foi anfitrião de Pablo Picasso, Marcel Duchamp, Josep Pla e Magritte.

Assim como nós, eles não resistiram à paz e à luz desta cidade. O segredo? De um lado o mar Mediterrâneo. Do outro, as montanhas. E o melhor: deixaram como legado o gosto pela arte, que pode ser visto nas diversas galerias do povoado. 

Neste lugar não seguimos nenhum roteiro. Caminhar e ver o mar.  

costa brava- cadaques-vista panoramica

Casas brancas, mar azul. Foto Eduardo Baró

 

 Mais fotos de Cadaqués

 

 

4 Comments

  • Fernando araujo disse:

    Ola, tudo bem? Muito bacana o seumroteiro e fiquei bastante interessado em fazer a costa brava de carro. Mas gostaria de saber se é muito dificil e/ou caro estacionar nessas pequenas cidades. Obrigado!

    • Oi Fernando, a gente nunca pagou estacionamento nem teve problema para estacionar. Mas é bom lembrar que não fomos no auge do verão, quando as praias ficam lotadas em qualquer lugar do mundo. Um abraço.

  • Raquel disse:

    Caríssima Gisele
    Estivemos em BUE no último feriado e resolvemos fazer um programa que há muito não fazíamos: assistir a um espetáculo de tango. Depois de ler as tuas considerações elogiosas sobre os principais shows, decidimos ir no Piazzolla.
    Optamos por comprar ingresso somente para o show, para jantar mais tarde numa das tantas boas opções em BUE.
    O espetáculo é ótimo e o local idem.
    Mas ficamos indignados com o que aconteceu fora do show.
    Pedimos 2 cálices de vinho (comum, nada especial) – servidos em 2 cálices de vidro pequenos – e perguntamos se havia algo para “picar” (amendoins, etc.). Nos sugeriram “dos empanadas”, o que aceitamos. Nos foram servidas 2 empanadas quase frias e bem pequenas.
    Como íamos jantar depois, não pedimos mais nada…
    No final do show, nos apresentaram a conta: 530 (ou 550) pesos!!! Dois mini pastéis: 250 pesos!
    Valor absolutamente abusivo!!! Não mantém referência com quaisquer preços similares em bares, restaurantes ou confeitarias em BUE.
    Saímos com a sensação de termos sido explorados!
    Uma lástima! Não voltaremos mais lá!
    Raquel

    • Raquel, isso é um absurdo mesmo. Sugiro que vcs escrevam no Trip Advisor, que é uma das ferramentas mais buscadas pelos consumidores. A gente tem que botar a boca no trombone mesmo. Escrevam tambbém na pa´gina deles no Facebook. Façam barulho! Obrigado por me alertarem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *