Tango 30: Buenos Aires, Porto Alegre

tango 30 abre

O blog Tango 30 começa a chamar a atenção pela qualidade das suas postagens. Descubram quem são estes gaúchos “aportenhados” que acham o tango tri-bom.

Quem  está por trás do Tango 30 e como vocês chegaram ao tango ?

tango 30 porto alegre

Fotos: Gentileza Tango 30

Somos Aline e Douglas, gaúchos de Porto Alegre, extremo sul do Brasil. Conhecemos Buenos Aires em uma viagem de férias nos primeiros dias de 2011. Nossas expectativas eram descansar, desbravar outras terras e culturas.

Descobrimos que o descanso em solo portenho não é muito possível, a menos que seja de nossas próprias rotinas de trabalho, como psicóloga ou jornalista, respectivamente (embora a profissão sempre vá de viagem junto na mala). Buenos Aires nos fisgou com sua exuberância, a rotina urbana ensandecida e os costumes, uns tão próximos, outros tão novos.

Entre tantas coisas que nos fascinaram, o tango foi uma das que trouxemos junto conosco, e descobrimos que em Porto Alegre já havia vários gaúchos “aportenhados” e “portenhos agauchados” que tinham feito esse trajeto outras vezes.

Vocês aprenderam tango em Porto Alegre?

Buenos Aires nos apresentou o tango. A curiosidade pelos costumes portenhos nos levou a buscar mais de perto o tango ainda em Porto Alegre, entre uma viagem e outra, porque só ser espectador não basta, às vezes é preciso experimentar. A grande parte das aulas fizemos sempre aqui e também desde Porto Alegre procuramos sempre estar atentos ao que rola em Buenos Aires. Faz muitos (realmente muitos) anos que ouvíamos Piazzolla, mas naquela época era “só” mais uma música fenomenal do mundo. Hoje continuamos ouvindo Piazzolla, mas também os clássicos e os novos, e vivemos o tango a full.

 tango 30 porto alegre

De onde vem o nome Tango 30?

Bem, Porto Alegre fica no Paralelo 30, e usamos a localização geográfica para situar o tango vivido por estas bandas, também brincando com a possibilidade de viajar entre paralelos. A ideia do Tango 30 é justamente falar sobre o que acontece entre esses paralelos, especialmente entre Buenos Aires, Porto Alegre e Montevidéu, e encurtar as distâncias que já não são muito grandes. Os gaúchos vão com frequência à capital argentina, seja pelo tango ou apenas para curtir a cidade. Como o tango em Porto Alegre é feito por muitos, a proposta do Tango 30 é que seja um espaço aberto a quem quiser se juntar, e daí estão surgindo algumas parcerias para produção de conteúdo.

E como é a proposta da Rádio?

A rádio Tango 30 é uma destas parcerias que estão nascendo. Ainda está em fase bastante embrionária, mas nossa ideia é seguirmos investindo neste conteúdo e melhorando. O Fábio Verardi, tangueiro daqui, propôs que houvesse também um formato em áudio, não somente em texto, e vem desenvolvendo, junto com outros milongueiros, como o Alan Alves, uma série de programas para falar do tango em geral e especificamente do cenário em Porto Alegre, na mesma ideia do blog, de fazer a ponte entre as capitais. A ideia nasce junto com o contato e a parceria com uma rádio local com programação predominantemente regionalista, a Radiosul Net, que tem um programa semanal dedicado ao tango.

tango 30 porto alegre

Que informações tangueiras vocês gostariam de ter de Buenos Aires?

O que chega pouco aqui, nos parece, são coisas específicas de quem vive a cidade cotidianamente. Para quem é aficionado, uma pesquisa na internet mais a fundo resolve um pouco, mas não é tão fácil. Vamos listar alguns “ondes”: onde comprar discos das orquestras de tango atuais, sapatos (é sempre uma pergunta!), onde tem milongas com orquestras ao vivo, onde fazer aulas (além das que acontecem antes das milongas).

Dá para deixar umas dicas de cantinhos portenhos em PoA?

No blog, fizemos um mapa (veja abaixo) com todos os lugares que vivem o tango e também os que oferecem gastronomia argentina ou uruguaia. São mais de trinta, porque uma das coisas mais portenhas é comer bem e passar um bom tempo jogando conversa fora à mesa. Vamos citar três lugares que gostamos e costumamos ir, mas há muitos outros.

El Farol. É um bar com mesas de madeira (algumas foram janelas em sua vida passada), banderines e quadrinhos que fazem referência à Argentina pelas paredes. Serve panchos, pizzas, chivitos, milanesa, cerveza e fernet. Durante a semana, a agenda varia entre música latina e futebol e nas sextas-feiras a noite é tangueira. As mesas do centro são afastadas e o pessoal dança por ali, mesmo que o espaço seja bem pequeno (já contamos nove parejas na pista!). O dono é o Alfredo Navarro, argentino, milonguero e gente finíssima. A onda do bar é se sentir como se a gente estivesse na casa de um amigo (superbem recebido mas nem sempre servido na hora, afinal às vezes o Alfredo tá na pista bailando). Reporteño! Espie aqui. 

La Tasca. É uma padaria artesanal, aberta por argentinos, que vende todo tipo de pães e serve tapas, brunch, pizzas, tortas e doces, vinhos e cafés. Tem um ambiente excelente e tudo é absolutamente delicioso. É ótima pedida tanto para levar para casa quanto para uma paradinha por lá no fim de tarde ou no fim de semana. Mais informações na página de Facebook.

El Tonel. Porto Alegre tem várias parrillas, mas uma das nossas preferidas é esta, que tem um clima simples e aconchegante, carne excelente e preços honestíssimos. Das que conhecemos, é a que mais se parece com uma parilla de bairro, este patrimônio tão exaltado pelos portenhos (nesse caso, dos portos de ambos os lados do Rio da Prata). Página oficial em Facebook.

tango 30abre

Outras semelhanças entre POA e BUE, além do tango?

Conhecemos dois extremos no Rio da Prata em termos de ritmo de vida urbana, Buenos Aires e Montevidéu, e descobrimos que Porto Alegre está a meio caminho entre as duas capitais vizinhas. Muitos costumes daqui são compartilhados pela banda oriental ou pelos argentinos, especialmente os portenhos. Tomar mate, se esticar no sol nos parques da cidade, torcer freneticamente por futebol, ir a feiras de artesanato e antiguidades ao ar livre, comer muita carne assada e também pratos feitos com miúdos, como os primos mocotó e o locro. Também compartilhamos o gosto pela milonga campeira, os passeios com o cachorro e uma relação ambivalente com nosso rio e nosso porto. Não é em vão que também compartilhamos fronteiras.

Curiosidades: O Marco Zero da cidade fica na Praça Montevidéu, em frente ao prédio da Prefeitura e a Praça Argentina, nos fundos da Santa Casa de Misericórdia (que ficava fora dos muros da cidade), conta com um busto de San Martin.

Leia mais sobre tango em Porto Alegre no post

Ai bota aqui, ai bota ali o seu pezinho

E vai lá:  na página Tango 30 e no Facebook.

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *