Cartas de Baires: Da caverna para a televisão