Primavera em Buenos Aires: tempo de tilo!

Hoje eu republico um texto que saiu na Coluna do Noblat em 2011 e que acho interessante compartilhar outra vez, para que as pessoas que estão chegando possam desfrutar da primavera em Buenos Aires conhecendo a história da minha árvore preferida.

Um dos exemplares que mais gosto é o que está dentro do Centro Cultural Recoleta, que deve florir muito em breve!

Um beijo e bom sábado chuvoso a todos. 

 

Buenos Aires perfumada!

Buenos Aires abusa na primavera.

Não bastassem os jacarandás carregados, e a possibilidade de comprar um ramo de jasmins em cada esquina, nesta época do ano a cidade está tomada por um dos meus aromas prediletos: o da flor de tilo (ou tília, em português).

A árvore que dá essa florzinha miúda é a quinta mais freqüente dentre as cerca de 500mil da capital argentina e, talvez por isso seu aroma esteja instalado na minha memória como o cheiro de Buenos Aires.

É uma planta de grande porte, pode atingir mais de 40 metros de altura, símbolo da amizade e da fidelidade, e considerada sagrada pelas antigas civilizações, que lhe atribuíam qualidades protetoras e várias lendas associadas.

A mais conhecida delas está ligada à mitologia.

Conta-se que Cronos, o deus Saturno dos romanos, se apaixonou e seduziu Filira, ninfa de uma extrema beleza, filha do Oceano e de Tétis. Acontece que ele tinha uma esposa, Reia, que não gostou nada dessa história. Um dia, para não ser apanhado em flagrante de adultério, Cronos transformou-se num cavalo.

Tempos depois, Filira teve um filho, metade humano, metade cavalo, a quem chamaram Quíron. Desesperada por ter um filho centauro, a ninfa o abandonou. Os deuses a transformaram numa tília, a árvore que dava flores e folhas medicinais.

Além de histórias assim, a tília tem um monte de propriedades medicinais e uma excelente madeira. É composta quimicamente de óleo essencial, flavonóides mucilagem, ácidos fenólicos, taninos, manganês e vitamina C. Seu chá, feito das flores secas, é utilizado para todos os problemas “dos nervos”. Depressão, insônia, estresse, esgotamento.

Também constitui um excelente sudorífico, muito recomendado em estados febris. É ainda útil no alívio de dores de cabeça e insônias e digestões difíceis.

Importante: não pode ser usado por gestantes e lactantes.

Aqui em Buenos Aires, o restaurante Tea Connection serve uma infusão aromatizada com tília, laranja e maracujá que é uma delícia e manda a gente direto para a cama.

Procurando informação para esta coluna, descobri no blog O Baú da História que estou super bem acompanhada na minha paixão por esta flor. Goethe, em “Os infortúnios do jovem Werther”, faz enterrar o seu personagem principal debaixo de uma tília. Schubert, no seu ciclo” Winterreise”, (Viagem de Inverno) de 1827, compôs  “Der Lindenbaum” (A Tília). Homero, Plínio, Horácio e Heródoto também escreveram sobre esta árvore e as suas virtudes.

Para ficar aqui mais pertinho, a tília também foi tema de soneto de Florbela Espanca e título de livro do argentino Cesar Aira.

4 Comments

  • Antonio Claudio Soares Bonsegno disse:

    Cara colega Gisele, não imagina como gostaria de estar aí agora para vêr florescer essa beleza que mais encanta ainda essa linda Buenos Aires. Quem sabe ainda escapo e chego a tempo de vêr essa época tão bonita e nessa cidade maravilhosa.
    Abraço aqui de Santos

    • Gisele Teixeira disse:

      Antônio, a primavera é a estação mais linda de Buenos Aires. Venha logo que a partir de dezembro a coisa se complica…calorão! Um abraço e gracias pela leitura.

  • Ana Barbosa Aguiar de Oliveira disse:

    Que pena, visitei Buenos Aires em agosto, não vi essas maravilhosas tílias. Quando puder, volto na primavera, inclusive para visitar o Jardim Japonês que deverá estar exuberante também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *