Por força deste destino, um tango argentino me vai bem melhor que um blues

copa-do-mundo-aquarela

Hermanos

Sei que muitos brasileiros vão torcer pela Alemanha, contra a Argentina, na final da Copa do Mundo no domingo. Não importa. Cada um tem as suas razões.

Mas também estou segura de que uma parte estará com eles, especialmente entre a gente do Sul. Há uma identificação muito forte dos gaúchos com uruguaios e argentinos.

Não sei se é pelo frio, pelo mate, pela nostalgia dos pampas, pela carne. Ou por tudo isso junto e algo mais.

O cantor Vitor Ramil TEM UMA TEORIA, que recomendo que a leiam. 

Usei um pequeno parágrafo do texto dele na matéria que fiz, em conjunto com outros repórteres, para a revista Época, há duas semanas.

O texto se chama O BRASIL ABRAÇA OS LATINOS. Como é uma matéria a muitas mãos, nem tudo o que é meu está lá, embora uma grande parte sim. Para quem não assina nem compra a revista, deixo o texto completo 839MomentoEsportivoLatinosGISELE (4)

Há seis anos em Buenos Aires, não tenho nenhum motivo para torcer contra a Argentina.

Aqui, encontrei um lugar onde desfazer definitivamente a mala, encontrei um amor, novos amigos, afetos, abraços, talentos que eu não sabia que tinha, desafios. Amar dois países tem muitas vantagens. A maior delas é ser feliz duas vezes.

Vamos, chicos!

Sobe o som. Duas versões de dois grandes clássicos.

 

15 Comments

  • Liliana disse:

    Adorei seu texto, Gisele!!!!!!! Perdón, estaba leyendo y comentando FB de brasileños y seguí con el portugués… Hay muchos brasileños que hinchan por nosotros (y no sólo del sur), lo que pasa es que los medios de comunicación no lo dicen (¿no se informan, no lo saben…?). ¡¡¡Me encantó el dibujito del abrazo!!! ¿De quién es? No llego a ver bien…

  • Rafael Mondini-Bueno disse:

    Olha Gisele, eu ia até torcer pela seleção argentina no domingo, mas quando dois jogadores deste time (no caso, Maxi Rodriguez e Agüero) vão numa coletiva e desdenham do apoio de quem não seja da argentina, numa demonstração esotérica e ridícula de nacionalismo, não posso ter outra reação senão achar que a Alemanha deve ganhar.

    • Gisele Teixeira disse:

      Você viu a capa do Lance de hoje? O que vc esperava….
      Igual, veja bem o que está escrito na matéria do G1: “Sem saber se era uma ironia ou uma vontade sincera”, o meia que cobrou o pênalti decisivo na semifinal com a Holanda disse que não se preocupa com o desejo de ninguém que não seja seu compatriota. A interpretação do jornalista é que não foi clara a informação que chegou ao jogador. Sei lá, eu não vou entrar no mérito nem quero convencer ninguem. O que estou dizendo é que vou torcer para a Argentina. Torcer para a Alemanha sequer é uma possibilidade.

  • Rafael Mondini-Bueno disse:

    Eu também não quero convencer ninguém, só expresso minha opinião de desgosto com a demonstração de desdém destes jogadores, ainda mais considerando que a gama de opções de respostas para a pergunta feita a eles vai muito além da mera ironia ou de um agradecimento sincero. E se fossemos para levar em consideração por quem torcer por conta de capas de jornais, eu jamais consideraria a possibilidade de torcer para a Argentina nem numa partida de bolinha de gude, graças ao Olé, com seu jornalismo provocativo no mesmo tom do Lance – dois autênticos jornalecos que faturam com esse tipo de provocação barata e infantil.
    Minha conexão com a Argentina não é tão profunda quanto a sua, mas tenho um bocado de laços vitais com este país – amigos, professores, dedico a minha vida a estudar uma cultura tão bonita e rica como a daí, e tenho orgulho de ter este privilégio. Por isso me sinto ultrajado pela postura destes jogadores. E trabalho com muita gente que também tem este tipo de laço com a Argentina, que ficou tão enojada com essas afirmações como eu.
    Continuo adorando tudo daí e estou com a nação argentina venha o que vier, mas não posso ficar tranquilo torcendo por uma equipe que despreza ser admirada por outros só porque nasceram em outros lugares. Espero que tal afirmação não ressoe (e não acho que vá ressoar) na imensa comunidade de imigrantes que vive aí e que ama o país de verdade.

    • Gisele Teixeira disse:

      Pois é, Rafael, vamos ver no que dá nisso. Não creio que a Argentina vá ganhar, embora torça para o país. O que espero é que ambos os países possam aprender um pouco com a competição – derrotas, inclusive – e que copa termine logo para que a gente volte para a vida real. O que não falta aqui é problema para resolver. Um beijo grande e obrigada pela leitura do blog e pelos teus comentários. É bom poder manter um diálogo com quem nos lê. Isso nem sempre é possível. Espero te ver mais frequentemente por aqui!

    • Gisele Teixeira disse:

      Outra coisa, que não me aguento. Leio a seguinte declaração de Neymar no Página 12: Neymar ya sabe por quién hinchará en la final del Mundial entre Argentina y Alemania: por Lionel Messi. “Quizá les suene raro un brasileño hinchando por Argentina, pero no es que esté hinchando por Argentina, estoy hinchando por Messi”, dijo el astro al reincorporarse a la concentración brasileña en Teresópolis. Ou seja, o que todo mundo disse que ele disse ele não disse.

  • Edu disse:

    Fue muy amistoso el mensaje de Neymar a Lio y Mascherano, y también lo fue el de Messi y todos nosotros cuando casi lo quiebran. Hay que salir un poco de tanta sensibilidad chauvinista,sea de quien sea, se trata de alentar al propio o al que uno quiera, por las razones que sea.

    Es probable que Aguero y Maxi Rodríguez no hayan entendido bien la pregunta, y también puede ser que estén irritados o displicentes, en medio de un clima hostil donde la prensa hoy es, increíblemente, Germanófila y ayer fue Holandesa, antes Belga, antes Suiza, Iraní y Nigeriana. Viene de estadios donde ellos, los himnos de otros países y los presidentes populares son vaiados por unas tribunas de gente rica, linda, diferenciada y agresiva. En todo caso, parece que ese incesante cambio de camisetas nos dió suerte, así que es lógico confiar más en el apoyo de la incansable torcida argentina.

    No es una guerra entre países o clases, se trata de jugar al fútbol en vez de hablar tanto, no hay que olvidarse de eso. Zoar un poco a un adversario al que se admiró por su increíble pasado y al que se quiere superar, es la tradición del fútbol. Mas allá de las estupideces alentadas por la prensa, el recibimiento de los brasileros en la realidad fue cálido, mis compatriotas se encantaron con la comida, los paisajes, las playas, la belleza de la gente,las costumbres y la vitalidad brazuca. Tanto allá como acá, buena parte de la prensa confía mas en crear conflictos para vender más y siempre hay quien se deje influenciar.

    Yo espero que Brasil pueda ganarle con garra sudamericana a Holanda, y que Argentina le gane esforzadamente a Alemania, y mi deseo surge naturalmente, sin tanta complicación ni exégesis de miradas de jugadores. Me parece natural estar orgulloso de nuestro continente.

  • MARCELO disse:

    Por favor, nao é para abrir polêmicas…
    Mas um pouco me preocupa e decepciona voltar a ler algumas referencias à ideias separatistas de gauchos.

    • Gisele Teixeira disse:

      Marcelo, vc nao entendeu nada. Não se trata de separação, que isso é ridículo. E sim de identificação cultural, que é outra coisa. Não estamos falando de geografia, mas sim de cultura. Mas, como vc disse, nao é o caso de polemizar por aqui. Isso de separatismo me dá a maior preguiça. Se você leu o texto do Vitor Ramil e ainda assim continua batendo nesta tecla…so sorry.

      • MARCELO disse:

        Vc esta sendo taxativa e agressiva ao julgar minha capacidade de entendimento.
        Somente desejo que desapareçam ideias separatistas, seja por razoes econômicas, culturais, geográficas, “climáticas”, ou de qualquer outra índole.
        Te sugiro voltar a ler meu breve comentario anterior.
        “Dejemos acá”

      • Madame Li Li disse:

        Gisele escreve um texto belíssimo e vem alguém, quase analfabeto funcional, para deturpar tudo. Preguiça mesmo.

  • Patricia disse:

    abrir o coração, a mente, a duas nações é abrir-se ao universo de possibilidades de viver, saborear e sentir. viva!

  • Veruska disse:

    Lindo, Texto! Também adorei o desenho. Torci em todos os jogos pela Argentina, que mora no meu coração muito antes da minha temporada por aí. Para mim é muito natural essa torcida. Reforço o que a Liliana diz: Há muitos brasileiros que torcem pela Argentina. Abraço carinhoso desde aqui…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *