Mercado de San Telmo, cheio de novidades!

Cada vez que vou ao Mercado de San Telmo ele tá diferente. Só que ultimamente as mudanças têm sido muito rápidas. Aos completar seus 120 anos de vida, este espaço – coração do bairro – vive um momento de transformação em seu perfil, com  a chegada de vários lugares de gastronomia. O Mercado ganhou uma peixaria “gourmet”, um restaurante vietnamita e outro suíço, uma padaria francesa, uma hamburgueria, uma loja de vinhos e por aí vai.

Se por um lado isso é bom, o Mercado precisava de mais lugares para comer, por outro também provoca inquietude.  Há vários postinhos fechados, vazios, e não se sabe o que vem por aí. Quem gosta de San Telmo do jeitinho que ele é, fica medo que os espaços de antiguidades e venda de frutas e verduras não suportem a pressão das leis do “mercado”, o aumento de preços dos alugueis, acabem desaparecendo.

É o que muitos chamam de gentrificação – uma palavra feia para explicar os movimentos que disparam os preços imobiliários dos lugares e acabam “expulsando” os antigos moradores para acomodar confortavelmente os novos donos do pedaço. É uma tendência mundial. Esperamos que em San Telmo haja lugar para todos.

Mercado de San Telmo: as novidades

Je suis Raclette – Este é o novíssimo restaurante-banca do Mercado de San Telmo e só vende – como o nome diz – raclette. Dois queijos gigantes atiçam as papilas! A raclette é uma comida suíça da família do fondue, que tem como base derreter o queijo para que a gente possa degustá-lo com diferentes ingredientes. Por exemplo: papas rúticas + queijo fundido + chorizo bombóm (150 pesos). Very “engordant”! A conferir!

Comida Suíça no Mercado de San Telmo. Jé Suis Raclette!

Una publicación compartida de Aquí me Quedo (@aquimequedo.buenosaires) el

Merci – Talvez a melhor baguette tradición de Buenos Aires. Essa padaria francesa oferece todas as delícia de Paris aqui do “ladin” de casa, como pão de campo (pain de campagne), croissant e chocolatine. O ambiente é simples e charmoso. Além da padaria eles possuem um pequeno restaurante, com sanduíches e pratos do dias nos fins de semana, com sopas, crepes e fondant de chocolate.  Atenção: nas sextas, até às 20h, Merci serve tapas grátis para quem compra uma garrafa de vinho.

Saigón Noodle Bar Street food vietnamita made in Buenos Aires! Como nós vamos ao Vietnam, está no primeiro da lista a ser provado! Fica onde era o tradicinal La Coruña.  Entre os destaques da casa está a pho, uma sopa típica de Vietnam com massa de arroz, carne ou frango em tiras e menta. O caldo leva seis horas de preparação e oito temperos.

mercado de san telmo saigon

 The Market Burguer – Hamburguesas, para quem é de comida mais americana.

Coffee Town –  O Coffee Town foi um dos pioneiros desta leva de gastronomia. Começou com um “quiosquito” de café no meio do Mercado, criado por um grupo de profissionais apaixonado por café (baristas, mestres tostadores e os únicos catadores profissionais da Argentina), que conhecem os melhores cafeicultores da América Latina e África. Depois se espalhou. Tem mais dois postos – um restaurantet e uma casa de sanduíches e sucos.

Mercado de San Telmo: um pouco de história

O Mercado foi inagurado em em 1897 para abastecer a nova onda imigrantes que chegada à cidade. O edificio conserva sua estrutura interna original, formada por vigas, arcos e colunas de metal com teto de chapa e vidro. O projeto é de Juan Antonio Buschiazzo (1845-1917), o  segundo arquiteto a ter título em Buenos Aires e um dos mais renomados em sua época.  Buschiazzo desenhou bancos, hospitais e diversos edifícios do governo e foi um dos responsáveis pelo projeto da Avenida de Maio. No ano 2000, o Mercado foi declarado Monumento Histórico Nacional pela secretaria de Cultura da cidade.

Em sua origem, os mercados funcionavam como um vínculo entre o campo e a cidade. Vendiam a granel e também para os vizinhos. Em Buenos Aires cada bairro tinha  seu.  Ainda sobrevivem o de Belgrano (Juramento 2501), o Mercado del Progreso (Caballito), o de Boedo (San Juan 3266) e o de San Cristóbal ( Entre Ríos e Independencia), entre outros. O maior mercado que Buenos Aires teve foi o de Abasto, em Balvanera, que fechou em 1984 e virou shopping nos anos 90.

Para provar comidas diferentes: Los Infernales 

 

3 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *