Dicas de bodegas em Mendoza

Visitar bodegas em Mendoza é um passeio obrigório para quem vai à região. São mais de 1200 espaços de vinho na região, de diferentes estilos e proposta, sendo que 136 deles estão abertos ao público. Nesse post, um pouco do que a gente conheceu por lá, as diferenças entre as regiões e como visitar – se de ônibus, van, passeio privado ou bike -, para você se planejar melhor. Importante: não precisa comprar com antecedência, chegando lá vocês vão encontrar mil possibilidades nos hotéis.

bodegas em mendoza

Não vai faltar vinho!

Bodegas em Mendoza: para entender o circuito

São quatro regiões produtoras: Luján de Cuyo e Maipú, cerca de 20 km de Mendoza, e Vale de Uco e San Rafael, no sul, distantes 80 km e 100 km, respectivamente.

 

Bodegas em Mendoza: Luján de Cuyo e Maipú

Luján e Maipu estão na chamada “primeira zona”, que concentra a maior quantidade das mesmas abertas ao turismo. E vou me concentrar nessa, que é a que quase todo mundo faz. Há desde bodegas familiares e boutiques até as mais conhecidas e antigonas, centenárias.

Uma das principais diferenças que o turista encontrará entre as bodegas será o tamanho da produção. Isso diferencia as bodegas familiares e artesanais das grandes produtoras. Os dois tipos oferecem belos tours. Nas charmosas bodegas familiares, há maiores chances de ser recebido pelo proprietário e fazer uma visita bem mais exclusiva. Já nas comerciais há salões gigantescos recheados de barris e você poderá ver a produção daquele vinho que tomou a vida inteira. 

bodegas em mendoza geral

Como são os tours pelas bodegas em Mendoza

  1. De van – São os tours mais comuns e visitam normalmente duas bodegas – uma mais comercial e uma boutique, além de uma fazenda de azeite de oliva. Todos os hotéis podem indicar tours, que estão em torno de 30 dólares (setembro 2017).
  2. De ônibus – O Busvitivinícola, que oferece um passeio por 550 pesos – 650 pesos, passando pelas seguintes bodegas: Tour 1  (El Sol): Vistalba, Plaza Chacras, Clos de Charcas, Tierras Altas, Filosofos e Lagarde. Tour 2 (Lujan Sur):  Chandon, Dollum, Dominio del Plata, Tapiz, Terrazas de los Andes e Septima
  3. Com um tour privado – Como, por exemplo, o Trout and Wine,  um passeio excelente e  mais exclusivo, mas que por isso mesmo custa mais, em torno de 170 – 200 dólares por pessoa (setembro 2017), incluindo almoço.
  4. De bikeLeia o post sobre a nossa experiência.

bodegas em mendoza chandon

 

Independente da forma, não recomendo ir em mais de três por dia, para não ser muito cansativo. E também sugiro planejar um pouco, porque a oferta é enormeEm geral, os pacotes incluem uma bodega mais conhecida com uma que a gente nunca ouviu falar. Aproveite a oportunidade para conhecer coisas novas! As bodegas pequenas sempre me surpreenderam e renderam boas experiências.

Importante: aproveite para comprar vinhos que não chegam aos supermercados.

Deixo dois mapas, das regiões mais cercanas, para vocês terem uma ideia do que vem pela frente!

Bodegas em Mendoza: Lujan de Cuyo

Esta região é a que possui a maior quantidade de vinícolas e que está mais próxima da cidade, a cerca de 25 km do centro de Mendoza. Possui vinhedos entre 800 e 1200 metros de altitude e é considerada a terra dos Malbecs.

mendoza-bodegas-mapa.jpg

Fonte: http://www.caminosdelvino.com/

Algumas bodegas de Luján:

Catena Zapata

Chandon

Norton

Altavista

Lagarde

Luigi Bosca

Nieto Senetiner

Ruca Malen

Septima

Terraza de Los Andes

Vistalba

Bodegas em Mendoza: Maipu

A cerca de 20 km do centro de Mendoza, Maipú e concentra as bodegas mais antigas e tradicionais da região. 

bodegas em Mendoza

Algumas bodegas de Maipú:

Carinae

Trapiche

Familia Zuccardi

La Rural

Finca Flichman

Lopez

Vistandes

 

Uma boa dica para se organizar é dar uma espiada na edição argentina da Wine Repúblic, distribuída gratuitamente nos hotéis. A publicação traz a descrição das vinícolas por região, o que cada uma oferece e os vinhos mais pontuados.

 

Se você gostou deste post, curta a página do AQUÍ ME QUEDO NO FACEBOOK!

 

Todos os posts sobre Mendoza

MENDOZA – ONDE SE HOSPEDAR

MENDOZA – UM PASSEIO PELA CIDADE

MENDOZA – O PASSEIO PELAS ALTAS MONTANHAS

MENDOZA – PELAS BODEGAS NUMA VAN

MENDOZA – PELAS BODEGAS EM BICI 

MENDOZA – OS RESTAURANTES

MENDOZA – PARA ENTENDER AS BODEGAS

MENDOZA – 50 TONS DE OUTONO

MENDOZA – CAVALGADA CAMPESTRE AO ENTARDECER

9 Comments

  • Aquimequedo.com.br Obrigada pela menção da Wine Republic como ferramenta util para o turista brasilero em Mendoza! http://aquimequedo.com.br/2014/05/29/bodegas-mendoza-argentina/

    Para aqueles que não conhecem a nossa publicação: A revista Wine Republic é feita em papel e formato eletrônico, começou a circular há 11 anos e responde às necessidades dos enoturistas que visitam Mendoza. Desde seu início foi publicada no idioma inglês e a partir de Dezembro de 2012 resolvemos começar a publicar uma segunda revista escrita em idioma português e acreditamos é de grande utilidade para os brasileiros que pretendem visitar Mendoza.

    Saludos desde Mendoza!!!

    Mariana Gómez Rus-Editora (Wine Republic, edição especial em português)

    http://issuu.com/winerepublic

    • Gisele Teixeira disse:

      Oi Mariana, eu sempre vi a publicação em inglês! Que bom saber que há também em português. Maravilha.

      • mariana disse:

        Oi Leila,
        Sugiro Cepas Elegidas, a Vinicola de Brennan Firth qué elabora Cepas Elegidas ; AMP, a cave de Karim Mussi ( minha favorita) Casa El Enemigo, do enólogo de Catena, Alejandro Vigil.
        Saludos!
        Mariana

        • Oi Mariana, obrigado pela resposta! Vou experimentá-las também.

        • Leila disse:

          Obrigada pela atenção Mariana.
          A Bodega do Alejandro eu conheci… Aqui no Brasil os vinhos dele ainda não são conhecidos. Trouxe umas garrafas de Buenos Aires gostei e fui conhecer a bodega. O Malbec deles é uma coisa (de bom), e foi disparado o melhor Cabernet Franc que provei em Mendoza. Depois gostei muito do Grã reserva da La Azul e o Malbec De Angelis…. Abraços e obrigada!!!

          • Oi Leila,
            sim, conheço La Azul… é uma das minhas favoritas no Vale de Uco… acho que os seus vinhos são bons exmplos do que o vinho de Vale de Uco tem que ser: bom teor alcoolico, muita cor e excelente estrutura (taninos), o seja: umvinho poderoso, kkk. Si gosta do CabFranc tente conseguir o Gran Pulenta Estate CF e o “padres dedicados” cf de gimenez Riili( do estilo de La azul, também).

            saludos!
            bom domingo
            Mariana de Mendoza

  • Sim Gisele, desde há dois anos estamos publicando em português também! Temos dois colaboradores: Carlo Lima e Jeanne Coelho que trabalham junto conosco 🙂 . A revista é mais curta (16 pags) e sai cada 6 mêses (ultima edição: http://issuu.com/winerepublic/docs/dic_may_2014_bra__cv_web ) distribuimos nas mesmas cidades mas sempre perto de fins de semana e férias (segundo calendário brasileiro para gerar um maior impacto).

    Saludos e, novamente, muito obrigada pela divulgação do que fazemos na Wine Republic 🙂

    Mariana
    pd. desculpas pelos erros…. meu português não é o melhor 🙁

  • Leila disse:

    Bom dia Mariana, por favor, gostaria de pedir indicações de pequenas bodegas (as conhecidas maiores não me interessam pois já conheço todas).
    Gosto muito de vinhos artesanais (1924 Guillermo, La Azul …. enfim)…. gostaria de bodegas neste estilo…. pode me ajudar?
    Obrigada
    Leila

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *